[RESENHA] Hunter (Caçadores de Santa Fé #1) - Kate Willians

Hey, pessoas!

Como vocês já sabem, se acompanham o blog, nós fomo selecionados para parceria com a linda Kate Williams, e a resenha de hoje traz pra vocês as impressões sobre o primeiro livro dela lido por mim, Hunter, publicado pela editora Coerência!

Hunter

TÍTULO: Hunter (Caçadores de Santa Fé #1)
AUTOR: Kate Willians
EDITORA: Coerência
NÚMERO DE PÁGINAS: 286 páginas
SINOPSE: Não existem heróis, tampouco vilões. Por trás de atos raivosos e atrocidades tenebrosas, há sempre uma verdade triste. Ninguém consegue mascarar a maldade que há dentro de si, por muito tempo. Hunter, O caçador de monstros, conta a história de Nicholas Blanco - um adolescente comum, com objetivos comuns e aparência mais comum ainda - que se depara com uma verdade surpreendente sobre seu passado e a confirmação que pode ser e fazer muito mais do que o que sempre imaginou para o seu futuro. Conta também a história de Ramon Blake, um jovem caçador no passado, que teve o amor de sua vida brutalmente arrancado de si e se deixou dominar pela dor e pelo ódio. Essa é uma história sobre caçadores que descobrem ser tão ou mais horríveis que as próprias criaturas que caçam.

    

Nicholas é um garoto nada popular na escola, além de tipicamente adolescente. Seus melhores amigos são os irmãos Sara e Jason, e em comum os três possuem a falta dos pais. Os de Nick morreram em um misterioso acidente com um animal, que ninguém sabe explicar exatamente. Toda sua vida muda de uma hora pra outra quando seu amigo Jason o convida para ir em busca do pai biológico dos irmãos, no Novo México. A partir daí, os dois garotos nem imaginam, mas farão descobertas que transformarão sua visão sobre o mundo e a si mesmos.

O livro Hunter chegou até mim através da parceria com a autora e logo de início já me surpreendeu pela construção que a Kate conseguiu fazer, com relação ao enredo e aos personagens, principalmente. Os caçadores são divididos em três famílias maiores: Blanco, Blake e Santos e seu objetivo maior era deter qualquer tipo de criatura sobrenatural que pudesse causar algum mal aos humanos. Eles eram convocados e treinados para a caça desde muito novos, o que fazia com que acabassem quase invencíveis com suas habilidades. Por falar em habilidades, cada família é destinada a uma das mais essenciais na caça e na luta, e juntos eles complementam-se e formam um só povo e ser. Todo esse mundo criado pela Kate é novo pra mim e me impressionou pela construção detalhada e cheia de minuciosidades que não passam despercebidas até ao leitor menos atento. O universo de Hunter não é apenas bem montado e encenado, mas é quase palpável, de forma a envolver ainda mais o leitor na história e torná-lo parte de toda a trama.

Nicholas é um adolescente impopular no colégio que possui apenas dois grandes amigos e uma paixão impossível. Criado por sua tia desde que perdeu seus pais num acidente misterioso, o garoto se culpa por, de alguma forma, ter tirado o pouco de liberdade que a mulher possuía. Quieto, fechado e sempre na dele, poucas pessoas conseguem conhecer o verdadeiro Nick, um garoto divertido, inteligente e determinado, capaz de tudo para proteger aqueles que ama, que sente falta do amor e carinho de seus pais. É fácil identificar-se com o personagem, as fases e conceitos pelos quais ele passa no decorrer do livro nos representam em muitas ocasiões, e nos vemos mesmo que inconscientemente torcendo e vibrando com cada conquista do menino.

Sara é uma mocinha não-convencional. A garota foi criada afastada de seu pai e sua única família é seu irmão Jason, pelo qual ela faria qualquer coisa. Desinibida e despreocupada com a impressão que causa, Sara não dá a menor importância a má fama que carrega e faz tudo o que tem vontade, sem pensar nas consequências. No fundo, ela é só uma garota solitária e perdida, que quer acima de tudo encontrar-se e encontrar alguém que a entenda e dê o carinho que lhe foi negado desde a infância. Confesso que eu em alguns momentos as atitudes dela me deixaram insuportavelmente parecida com uma velha de oitenta anos que repreende qualquer gesto fora do correto, mas logo depois eu me via envolvida com os sentimentos demonstrados por Sara e entendia completamente seu lado da história. Minha única vontade então era abraçá-la e dizer que ela não precisava de nada disso pra chamar atenção, pois havia pessoas que a amavam e fariam tudo por ela bem ao seu lado.

Jason é o típico irmão mais velho: protetor, cuidadoso, cheio de amor para com Sara. Descolado, divertido e inteligente, o garoto faz piadas das próprias desgraças, e faz o maior sucesso com as garotas, não só por isso, mas pela sua aparência abundantemente bela. No entanto, ele é muito mais do que um simples rostinho bonito. Jason é determinado e corajoso, e sonha, acima de tudo, em reencontrar o pai e juntar sua família novamente. É difícil não ficar comovida com a relação entre os dois irmãos, ela é forte, verdadeira e admirável, exemplo pra muitos de nós. A amizade entre os irmãos e Nick também é um laço inquebrável, e é lindo e emocionante acompanhar o quanto eles se doam um pelo outro, como se protegem e cuidam-se mutuamente.

Ramón é um homem injustiçado e ferido. Acho que essa é a melhor definição para ele. Depois de perder o grande amor de sua vida para as pessoas que ele mais confiava, e ser obrigado a se unir a uma caçadora apenas para perpetuação da espécie, o homem tornou-se amargurado, preocupado apenas em alcançar uma vingança que ele achava ser a solução para a dor que carregava continuamente consigo. É claro que em muitos momentos eu fiquei morrendo de vontade de socar a cara do homem e dizer que os filhos precisavam dele mais do que nunca, mas no fundo, eu o entendia, profundamente. Para mim, Ramón passa longe de um vilão: na verdade, ele é uma das maiores vítimas do clã dos caçadores, e todas as suas atitudes condenáveis advém da incapacidade de compreender, respeitar ou superar as decisões tomadas em seu lugar por aquelas pessoas que se importavam apenas com sua própria raça.

Walter é o mais terrível homem que vocês puderem imaginar. Sem escrúpulo nenhum, ele usa as pessoas para alcançar seus objetivos sórdidos e egoístas, e não se importa com quem precisará ferir no caminho. Ele é ambicioso e cheio de maldade, ardiloso, estrategista e frio, ao extremo. Confesso que aquela voz mansa e a vontade de sempre fazer o melhor para todos nunca me enganou, mas um leitor mais desatento pode ficar surpreso com a extensão não só da maldade, mas também da engenhosidade do homem, que ele usa para seus propósitos desleais, na busca incessante por apenas uma coisa: poder infinito.

Um ponto importante no livro são as reviravoltas que a Kate conseguiu inserir no decorrer da história. Enquanto eu, como leitora, esperava alguns momentos e finais para as personagens, a autora decidiu-se por outros, e isso me surpreendeu e deixou mais do que satisfeita. Alguns episódios e acontecimentos me deixaram de queixo caído, outros me tiraram o fôlego e outro ainda fizeram meu coração confranger-se de emoção ou tristeza. Acho que a única coisa que eu gostaria de ter visto seria um pior final para Walter, mais elaborado talvez, porque ele realmente merecia sofrer muito mais do que sofreu depois de todas as atrocidades que cometeu durante a trama.

Hunter foi um livro que marcou o início da minha trajetória como leitora da Kate, e posso dizer que eu não poderia ter escolhido uma história melhor. Tudo no livro me ajudou a mergulhar nesse mundo novo e cheio de mistérios e perigos, e agora tudo que eu quero é voltar pra lá e não precisar mais sair. Vou lembrar desses personagens ainda por muito tempo, vou recordar da trama com carinho sempre, e só tenho uma coisa a dizer ao final dessa resenha: que venham mais livros da Kate, porque eu tenho certeza que todos serão tão ou mais maravilhosos que este! Até a próxima postagem! 😚😚

1 comentários: