[RESENHA] O Colecionador de Borboletas - Cecília Mouta

Hey, pessoas!

A resenha de hoje é sobre O Colecionador de Borboletas, um livro nacional da autoria de Cecília Mouta que me surpreendeu e encantou!

O Colecionador de Borboletas

TÍTULO: O Colecionador de Borboletas
AUTOR: Cecília Mouta
EDITORA: Novo Século
NÚMERO DE PÁGINAS: 256 páginas
SINOPSE: Você sabe qual a verdade sobre o efeito borboleta? Nicola é um pesquisador e colecionador de borboletas que perdeu a memória. Durante sua recuperação, com a ajuda de uma psiquiatra, descobre que possui o poder de voltar ao passado e modificá-lo, e também que era apaixonado por uma garota chamada Joana, que aparece repetidas vezes em meio à suas confusas visões. Pior que uma lembrança morta, é uma lembrança que insiste em ressurgir. E Nicola terá que seguir o fio de suas vagas recordações para desvendar até que ponto alterou seu passado. Porém, este colecionador ainda não tem consciência do quanto o efeito borboleta pode ter afetado seu próprio destino.

    

Conheci esse livro por acaso, numa dessas minhas andanças pela blogosfera. Quando fui procurar maiores informações, descobri que a autora estava com uma promoção incrível para a compra dos exemplares, e claro que, como fiquei curiosa, dei logo um jeito de adquirir o meu. E não me arrependo!

Neste livro conhecemos Nicola, um pesquisador apaixonado por borboletas. Sua coleção dos animais é considerada uma das mais completas do país, e ele se orgulha muito disso. Toda a trama começa com um fatídico acidente, que leva Nicola a perder completamente sua memória, indo parar numa clínica de recuperação. É lá que, aos poucos, ele vai relembrando de todos os momentos importantes de sua vida, todos eles envolvendo Joana, seu amor de infância. A grande questão é que ele não lembra-se o que aconteceu com Joana, e tudo fica ainda mais estranho quando ele passa a enxergá-la em todos os lugares, e descobre que possui um dom capaz de mudar o passado. Nicola está perdido, confuso e amedrontado, e precisa reunir todas as suas forças se quiser desvendar o mistério que cerca sua própria vida. Você acredita em efeito borboleta?

Muito pouca gente sabe sobre isso, mas eu tenho uma fascinação anormal pela borboletas. Elas sempre me encantaram, e eu busco informações sobre esses bichinhos sempre que possível. É claro que quando eu li a sinopse de O Colecionador de Borboletas, e fiquei sabendo de toda a sua trama envolvendo os insetos, não pude deixar de conferir a história. E posso dizer que a autora conseguiu me surpreender em todos os sentidos!

A maior parte do livro é narrado dentro da clínica de recuperação, onde Nicola se encontra desde o início da nossa história. Isso mesmo: nós não temos uma história desde o começo, ao contrário: nossa narrativa inicia aproximadamente no meio da vida de Nicola, e aos poucos vamos acompanhando o que aconteceu com ele antes do acidente, e a qual desfecho isso nos levará. Eu achei que essa foi uma sacada genial da autora, esse fator dá um ar de mistério e suspense ao livro, que prende ainda mais o leitor à narração. É impossível largar o livro antes de saber seu final. A cada página que lemos nos envolvemos mais e mais com o enredo, e quando nos damos conta já fomos completamente sugados pelos segredos de Nicola e por todas as surpresas que a vida reserva ao nosso protagonista.

Nicola é um protagonista, no mínimo, curioso. Ele seria um cara normal, não fosse sua paixão desmedida pelas borboletas, o que o levou a transformar-se num pesquisador, dedicado totalmente a esse universo, além de um colecionador fanático. Quando os assuntos são esses insetos, não existe meio termo para Nicola: ele é completamente intenso em sua fascinação. O protagonista que conhecemos logo no início do livro é um homem distante, confuso e perdido, que aos poucos vai reencontrando seu próprio passado, o que só colabora para aumentar a confusão dentro de sua mente. Nicola não lembra-se de nada que aconteceu em sua vida, e todas as descobertas que faz o deixam chocado, e até um pouco obsessivo. Apesar disso, consegui entender toda essa angústia por trás dos gestos e atitudes tomadas pelo protagonista: ele é um estranho para si mesmo, e isso é completamente desnorteador. É por conta desse sentimento de estranheza que Nicola mergulha cada vez mais em sua própria mente, para tentar entender quais foram os fatos que o trouxeram até ali, naquele lugar, e que agora o assombravam. Independentemente de sua perturbação, compreensível, Nicola é um personagem que nos comove e emociona, fazendo-nos conectar a ele e torcer para que seu sofrimento dê resultados no fim de tudo.

Joana é uma incógnita a maior parte da narrativa. Conhecemos a garota apenas através das lembranças de Nicola, e nestas, a personagem se mostra doce, meiga, apaixonada por Nicola e pela vida, e completamente fascinada pelas borboletas. O oposto do que é aquela criatura assustadora, cheia de mágoa e desejo de vingança que atormenta o dia-a-dia e os sonhos do nosso protagonista. Joana faz parte da história de Nicola desde a infância, e ela é uma peça fundamental nesse quebra-cabeça. Liz é a psicóloga que acompanha o caso de Nicola na clínica, e no decorrer da narração também acaba tornando-se um elemento fundamental na trama. À medida que conhece seu paciente, Liz inevitavelmente se envolve amorosamente com ele, e a partir de então começa a se preocupar com seu estado de aparente tensão. É desse modo que ela também mergulha no mundo e nas lembranças de Nicola, através dos episódios sinistros provocados pelos sonhos do homem, além das sessões em que ele se abre para ela. Aos poucos, os dois envolvem-se, e Liz percebe que a felicidade de Nicola está intrinsecamente ligada à sua própria.

A rapidez com que tudo acontece dentro da trama é de tirar o fôlego. Cecília nos brinda com uma história ágil, emocionante e cheia de reviravoltas, que prende a nossa atenção do início ao fim. Os elementos envolvidos no enredo encaixam-se perfeitamente, culminando num final surpreendente e inesperado. A cada revelação, vemos a história ganhar um novo rumo, e a cada novo episódio vemos os mistérios aumentarem. O suspense é envolvente, a escrita é fluida, e em pouco tempo não conseguimos separar realidade e sonho dentro do livro. O mais interessante da história de Cecília, sem dúvida, é isso: apesar de sabermos que tudo aquilo ali descrito é ficcional, somos tentados a acreditar em cada palavra daquelas.

A diagramação do livro é simples, sempre com o elemento borboletas em destaque. As folhas são amareladas, a fonte é mediana e agradável à leitura, e a capa é completamente coerente com o conteúdo que encontramos dentro do livro.

O que eu posso dizer ao fim da resenha é que essa foi uma das leituras mais surpreendentes deste ano, e eu com certeza não esperava ser puxada para dentro da história como fui. Depois do término das páginas, mesmo assim a trama ainda continua dentro da nossa mente, marcada no nosso pensamento, é impossível esquecê-la. Os personagens, os acontecimentos, os elementos ali contidos, nos mostram que a realidade vai muito além daquilo que os nossos olhos conseguem enxergar. Leitura mais do que recomendada! Até a próxima postagem!

Beijos!

1 comentários:

  1. Sou louca para ler este livro, a capa é tudo de bom. Sou apaixonada por borboletas <3

    #Leituradeverão

    ResponderExcluir