[PARCERIA] Autora Cláudia Miqueloti

Hey, pessoas!

Mais uma autora entrou para o nosso time de viajantes: Cláudia Miqueloti, com seu livro fantástico e cheio de aventuras A Deusa de Anília e Outras Histórias! Vamos conhecê-la?

Foto -Cláudia Miqueloti

Cláudia Miqueloti, nasceu em 1973, na cidade de Nova Iguaçu, Rio de Janeiro. Digitadora em uma instituição de ensino. Aos fins de semana, leciona Japonês para turmas kids. Escreve desde os 10 anos. É admiradora da Obra de J. R. R. Tolkien e apaixonada por Literatura Fantástica. Foi, por um tempo, jogadora assídua de RPG (Role Playing Games) e Magic the Gathering. Aprecia um bom Rock, j-pop e k-pop. Em 2011, publicou o livro de poesias Labirinto do Sol e da Lua pela Edirota Litteris, sob o selo 4 Quártica Premium. O livro foi lançado na XV Bienal do Livro do Rio de Janeiro. No momento está escrevendo um romance sobrenatural. “O real e o fantástico são como dois polos de atração simultânea. A veracidade de um completa o imaginário do outro.”




Labirinto do sol e da lua
Título: O Labirinto do Sol e da Lua
Blog - Skoob - Fanpage
Sinopse: Um labirinto iluminado pelo dia e pela noite, pelas palavras repletas de verdade e sonhos. Um labirinto de sentimentos e emoções. O Labirinto do Sol e da Lua nos permite conhecer um pouco mais da vida, das verdades que, dia após dia, transitam diante de nossos olhos. Este livro funciona como uma lente de aumento sobre as coisas, fala de vivências e de ficções que sempre caminham conosco, combinando acontecimentos do cotidiano e vislumbres da alma criadora, num espaço propício a mergulhos do leitor. Quem se aventura?



A Deusa de Anília e Outras Histórias
Título: A Deusa de Anília e Outras Histórias
Blog - Skoob - Fanpage
Sinopse: A Deusa de Anília
Um terrível dragão aterroriza a ilha. Krisna Rimeriano precisará de toda sua determinação e coragem para salvar sua amada ilha e conquistar o coração do valente Negro.
A Maldição de Gohran
A cidadela de Manarga vive sob uma maldição imposta pelo temível dragão Gohran. O jovem Menetto e seus companheiros precisam ser bem sucedidos para que Manarga não desapareça.
Mielim e a Harpa Encantada
A harpa dourada foi roubada, debaixo das orelhas pontudas dos Elfos de Lothuen. Bravos guerreiros saíram no encalço do ladrão.
O inferno de Razhenda
O Reino de Razhenda foi devastado por Cormedhor de Austrúcia, um mago ensandecido, que vem se utilizando de seres humanos como cobaias para suas experiências cruéis.
Tremaría e o Gigante da Montanha de Gelo
Uma terrível e monumental criatura, está aterrorizando os viajantes que precisam cruzar a Montanha do Vento Cortante. Kági, Dovan, Armando, Sáfio Liso e a doce barda Jocelyn precisam urgentemente de um trabalho, pois seus bolsos estão vazios. 

Vocês podem adquirir o novo livro da autora, A Deusa de Anília e Outras Histórias, que logo será resenhado aqui no blog, diretamente com a autora, com direito a um brinde exclusivo (que chique, gente!) através do e-mail chellot@gmail.com ou mensagem no Facebook, por apenas R$ 30,00. Com relação ao outro livro ali em cima, cliquem aqui e vocês saberão onde adquiri-lo!

Queria agradecer muito a Cláudia, pela confiança e por toda a atenção que ela deu ao blog. Espero conseguir corresponder à altura, ajudando no seu crescimento como autora e no sucesso de seus livros.

E aí, viajantes? Curtiram a parceria? Eu amei! E vocês não perdem por esperar, porque a resenha trará muitas surpresas! Aguardem! Até a próxima postagem!

Beijos!

[TOP 5] Setembro Amarelo: é melhor falar!

Hey, pessoas!

O Top 5 de hoje é extremamente especial: vamos apoiar o Setembro Amarelo, movimento indispensável ao bem estar de todos os jovens e famílias não só do nosso país, mas do mundo.

O Setembro Amarelo é um movimento surgido no ano de 2015, com o intuito de esclarecer as pessoas sobre o suicídio na adolescência, tragédia que vem acumulando vítimas ao longo do mundo. Estimulado internacionalmente pela Associação Internacional pela Prevenção do Suicídio (IASP), a campanha consiste em iluminar ou sinalizar locais públicos com faixas ou símbolos amarelos. No nosso país, uma das organizações responsáveis por dar voz ao movimento é o CVV, com sede em mais de 70 estados. 



O blog Livros Viajantes, consciente da importância deste tema, também se mobilizou, do nosso jeito, é claro! O nosso Top 5 de hoje vai elencar cinco dos melhores livros que tem o suicídio na adolescência como tema, com o objetivo de incentivar muito mais do que a leitura: buscamos com isso alertar para a situação de jovens que possam estar passando por situações de risco, e também mobilizar as pessoas a conversarem e debaterem sobre o tema, procurando melhores formas de abordá-lo e esclarecê-lo para aqueles que realmente cogitam essa hipótese.

1. Os Treze Porquês



Ao voltar da escola, Clay Jensen encontra um misterioso pacote com várias fitas cassetes. Ele as ouve e se dá conta de que foram feitas por uma colega de classe que cometeu suicídio duas semanas antes. Nas fitas, ela explica que 13 motivos a levaram à decisão de se matar. Clay é um deles. Agora ele precisa ouvir tudo até o fim para descobrir como contribuiu para esse trágico acontecimento.

O livro narra, do modo mais claro possível, o drama de uma adolescente, que passava por contínuas humilhações em sua escola, e acabou por tomar a decisão de tirar a própria vida. O mais interessante no livro é que ele consegue mostrar essa situação de uma maneira inovadora, inserindo na trama elementos que transformam a leitura em algo único e indispensável a qualquer jovem.

2. As Virgens Suicidas



Durante uma festa em sua casa, Cecilia Lisbon, uma garota de 13 anos se joga de uma janela do segundo andar sobre a cerca de ferro. Como uma maldição, num período de um ano, todas as cinco irmãs Lisbon cometem suicídio. Comprimidos, enforcamento, todas as formas são válidas para que, uma a uma, Lux (14), Bonnie (15), Mary (16) e Therese (17) encontrem seu caminho para a morte. A tragédia marca tanto a rotina da vida local que uma investigação é levada a cabo pelos garotos da vizinhança. Passados 20 anos, eles reúnem um mórbido acervo de evidências, que vão desde entrevistas com parentes até diários e boletins de química.

Este foi um livro que mexer extremamente comigo quando o li. Fiquei inevitavelmente refletindo sobre as situações apresentadas e as consequências que atos muitos vezes impensados ou inconscientes podem trazer. O filme também foi adaptado para o cinema, então não há desculpas para não conhecer a história.

3. A Playlist de Hayden

A Playlist de Hayden

Depois da morte de seu amigo, Sam parece um fantasma vagando pelos corredores da escola, o que não é muito diferente de antes. Ele sabe que tem que aceitar o que Hayden fez, mas se culpa pelo que aconteceu e não consegue mudar o que sente. Enquanto ouve música por música da lista deixada por Hayden, Sam tenta descobrir o que exatamente aconteceu naquela noite. E, quanto mais ele ouve e reflete sobre o passado, mais segredos descobre sobre seu amigo e sobre a vida que ele levava. A PLAYLIST DE HAYDEN é uma história inquietante sobre perda, raiva, superação e bullying. Acima de tudo, sobre encontrar esperança quando essa parte parece ser a mais difícil.

A Playlist de Hayden é um livro estimulante para qualquer adolescente. Com uma narrativa de fácil identificação, o tema suicídio se encontra presente do início ao fim do livro, mas não de uma forma densa ou pesada. Intercalando com músicas e vários outros elementos do universo adolescente, o mais interessante neste título é o fato de ele mostrar com clareza as consequências desse ato radical na vida daqueles que ficam.

4. Por Lugares Incríveis

Por Lugares Incríveis

Dois jovens prestes a escolher a morte despertam um no outro a vontade de viver. Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família. Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los.

Esse foi um dos livros mais emocionantes que eu já tive o prazer de conhecer. Daquele tipo de história que fica na cabeça mesmo depois da última página. A relação entre os protagonistas é o foco do livro, mas a forma como a autora aborda as dúvidas e medos que os afligem, levando-os a escolher o caminho do suicídio, é extremamente sutil e envolvente. Impossível não repensar as nossas próprias atitudes após essa leitura!

5. Reconstruindo Amelia

Reconstruindo Amelia

Kate Baron, uma bem-sucedida advo­gada, está no meio de uma das reuniões mais importantes de sua carreira quando recebe um telefonema. Sua filha, Amelia, foi suspensa por três dias do Grace Hall, o exclusivo colégio particular onde estuda. Como isso foi acontecer? O que sua sensata e inteligente filha de 15 anos poderia ter feito de errado para merecer a punição? Sua incredulidade, no entanto, vai aos poucos se transformando em pavor ao deparar, no caminho para o colégio, com um carro de bombeiros, uma dúzia de policiais e uma ambulância com as luzes desligadas e portas fechadas. Amelia está morta. Aparentemente incapaz de lidar com a suspensão, a garota subiu no telhado e se jogou. O atraso de Kate para chegar a Grace Hall foi tempo suficiente para o suicídio. Pelo menos essa é a versão do colégio e da polícia. Em choque, Kate tenta compreender por que Amelia decidiu pôr fim à própria vida. Por tantos anos, as duas sempre estiveram unidas para enfrentar qualquer problema. Por que aquele ato impulsivo agora? Suas convicções sobre a tragédia e a pró­pria filha estão prestes a mudar quan­do, pouco tempo depois do funeral, ela recebe uma mensagem de texto no celular: Amelia não pulou. Alternando a história de Kate com registros do blog, e-mails e posts no Fa­cebook da filha, Reconstruindo Amelia é um thriller empolgante que vai surpreender o leitor até a última página.

Este é um thriller psicológico que tem o suicídio como plano de fundo para uma investigação. Coloquei-o neste lista mesmo assim porque é muito interessante o ponto tocado por ele, mesmo sem querer: o quanto podemos não conhecer o suficiente uma pessoa ao nosso lado, que amamos, a ponto de não perceber nenhum tipo de dificuldade ou tristeza anormal nela. No mundo corrido de hoje, é indispensável a discussão sobre a importância que a escola, os pais e os próprios amigos precisam dar aos seus entes queridos, na tentativa de diminuir cada vez mais os riscos de tomar uma atitude irreversível.

Sei que setembro já está no fim, mas se vocês ainda quiserem colaborar com a campanha é muito simples: se você não tem um lugar para pintar ou colorir de amarelo, lembrando o movimento, espalhe esse tema para o máximo de pessoas que conseguir. Só unidos conseguiremos reverter os números assustadores que o suicídio tem ganhado às custas do sofrimento não só de jovens, mas também de famílias, completamente destruídas e incompletas. Lembre-se: falar é sempre a melhor solução! Até a próxima postagem!

Beijos!

[PARCERIA] Autora Jéssica Figueiredo

Hey, pessoas!

Vim aqui hoje anunciar mais uma parceria linda pra vocês: Jéssica Figueiredo, autora do livro Memórias de Julho, agora também faz parte do time de viajantes do blog! Vamos conhecer um pouquinho mais sobre ela e seu livro?



Jéssica Figueiredo desde pequena foi fisgada pelo poder das palavras que existiam em seus livros. O gosto pela leitura é graças a sua mãe, que sempre a incentivou a ler livros. Quando mais jovem escrevia pequenos quadrinhos para seus pais e gostava de escrever pequenas poesias. Foi no primeiro ano do Ensino Médio que tomou coragem para dar vida às estórias que vinham em sua mente. Ela acredita que as palavras podem ter força suficiente para tocar e mudar a vida das pessoas. É com este intuito que ela escreve. Recifense, atualmente ela estuda Ciências Biológicas Bachalerado na UFPE.



Memórias De Julho

Título: Memórias de Julho
Skoob - Fanpage - Comprar Físico - Ebook
Sinopse: No ano 1992, Recife, um grupo de amigos com oito anos (Marcos, Mari, Mila, Juan, Lucas), se encontram numa cabana em suas férias. A alegria de ser criança é compartilhada por todos, assim como a vontade de permanecer juntos. De um pedido surge a promessa de enterrar seus desejos e suas fotos em um baú todos os anos seguintes. Durante seis anos a promessa é mantida e todos percebem o quanto cada um foi importante durante todo esse tempo. Em julho de 1998 o destino acaba por separá-los. Quatorze anos depois, 2012, Marcos se vê sozinho e em posse do baú. Durante todos esses anos no mês de Julho ele sonha com os tempos vividos naquela cabana. Mas algo estava errado, os sonhos não eram normais. E Marcos então saí a procura dos antigos amigos que havia deixado para trás. Memórias de Julho lhe fará sentir saudade tanto de sua infância como de seus antigos amigos. Mostrará o que o tempo pode fazer conosco e o que é verdadeiro fica. Principalmente o amor e a amizade.

Obrigada, Jéssica, pela confiança e atenção que deu ao Livros Viajantes. Estou ansiosa para a leitura, e tenho certeza de que o livro será um dos mais marcantes já lidos!

E vocês, viajantes, já conhecem a autora? Curtiram a nova parceria? Me contem tudo! Até a próxima postagem!

Beijos!

[RESENHA] Nebulosa - José Bezerra

Hey, pessoas!

Recentemente o blog firmou parceria com o autor José Bezerra, juntamente com outros dez blogs literários. Todos nós recebemos com exclusividade o livro Nebulosa, que ainda será lançado pela editora Arwen, para que lêssemos e déssemos nossa opinião. Hoje trago minhas impressões dessa obra para vocês! Vamos conhecê-la?



TÍTULO: Nebulosa (Trilogia Nebulosa #1)
AUTOR: José Bezerra
EDITORA: Arwen
NÚMERO DE PÁGINAS: 592 páginas
SINOPSE: Aurora é estudante de Astronomia, e como tal, não há mais nada que lhe fascine do que os mistérios do Universo. Isso, até ela conhecer Lyon. Um homem atraente e misterioso, que surge em sua vida despertando um sentimento e uma curiosidade nada comum. Não sabe Aurora que Lyon esconde um grande segredo, capaz de despertar o poder, a inveja e a loucura de mentes perigosas. Que segredo é esse? E por que Lyon provoca nela uma atração fascinante e, ao mesmo tempo, perigosa? NEBULOSA não é a história de um simples romance, mas de um amor capaz de se colocar acima de todas as diferenças.

    

Quando vi a capa do livro e li sua sinopse, não pensei duas vezes antes de me inscrever para parceria com o autor, pois a história me deixou inquieta, e bastante curiosa. Confesso que as minhas expectativas eram altas, mas o livro não deixou a desejar em nenhum momento!

Conhecemos, em Nebulosa, primeiro volume da trilogia de mesmo nome, Aurora, uma garota alegre e muito simples, que desde sua adolescência vive com o dono de um bar, que a acolheu como uma verdadeira filha quando ela saiu da casa de seu pai e deu o trabalho com o qual ela ganha seu sustento diário e custeia seus estudos de Astronomia. Apaixonada pela vida e pelos segredos do universo, Aurora mantém uma rotina diária descontraída, apesar de todas as mágoas de seu passado. Essa rotina, no entanto, é abalada quando ela conhece Lyon, um homem misterioso e sedutor que mexe com seus sentimentos. A partir do momento que eles passam a se envolver emocionalmente, Aurora compreende toda a estranheza e a aura secreta que paira sobre Lyon, e entende também que muitas dificuldades viriam se eles estivessem realmente dispostos a lutar pelo amor que os unia. Nebulosa é uma história de amor e superação das diferenças, que nos mostra que, quando realmente gostamos verdadeiramente de alguém, nada mais importa.

Um dos pontos que eu mais gostei no livro foi o tema central que o autor escolheu para trabalhar: a ufologia. Para quem não sabe, essa é a ciência que estuda os seres extraterrestres, ou melhor, a possibilidade de sua existência. No livro, no entanto, esses seres não só existem como também influenciam muitos dos acontecimentos que marcaram história no mundo. Uma civilização tecnológica, os extraterrestres vem para a Terra em constantes missões, neste caso para compreender o poder dos seres humanos sobre as próprias emoções, e sua forma de relacionar-se entre si. Isso me deixou completamente fascinada, porque o assunto ufológico não é exatamente um dos mais comuns a serem encontrados na literatura, e um livro inteiro sobre uma sociedade que vai muito além do nosso alcance é incrivelmente convidativo. Confesso que, por conta da minha curiosidade, senti um pouco de falta de maiores informações a respeito dessa civilização extraterrestre, da forma como sua sociedade se organiza, dos seus costumes e cultura. O autor até toca em alguns desses pontos durante os diálogos de Aurora e Lyon, mas não chega a deixar nada muito profundo. Talvez por ser o primeiro volume, a ideia seja apenas uma introdução a esse universo, e por esse motivo estou ansiosa pelos próximos capítulos desta história.

Aurora é uma protagonista bastante comum: batalhadora, corajosa, cheia de energia e força para lutar por aquilo em que acredita. A garota é dura na queda, e ninguém pode fazê-la desistir daquilo que sonha. Em seu coração, apesar de toda a alegria que espalha por aí, ela guarda um grande rancor por seu pai, que, após a morte de sua mãe, fechou-se para ela e suas necessidades como filha, dando atenção apenas à sua ambição. Na mente de Aurora, ele não existe mais, pois assim ela consegue deixar de sentir dor por tudo que se passou entre eles. Amorosa e trabalhadora, tem em Ben, dono do restaurante que a acolheu, um verdadeiro pai, e faz tudo que pode para retribuir o que o homem fez e faz por ela. Quando conhece Lyon, Aurora vê sua vida e sentimentos virarem-se de ponta cabeça, e aos poucos acaba se entregando a essa paixão. A partir daí, Lyon passa a ser o grande motivo do seus sorrisos e da sua esperança, independente de todas as diferenças que existem entre eles.

Lyon é um homem misterioso e cheio de segredos. Assim que ele conhece Aurora, sente aflorar dentro de si um tipo de sentimento que jamais tinha experimentado: o amor. É assim que ele se vê lutando por ela, desejando-a, e, acima de tudo, querendo ela a seu lado. Junto com o amor por Aurora, Lyon vê crescer sua preocupação, seu instinto de proteção, seu carinho, e sua capacidade de se importar com outra pessoa. Acompanhamos esse crescimento e amadurecimento do personagem, e isso é encantadoramente admirável. Aurora se torna o mundo para Lyon, e é maravilhoso ver o quanto ele cuida e protege sua amada.

Arthur Ferron é um cientista e governador do Estado dentro do livro, um homem amargurado desde a perda trágica de sua esposa. Arthur é fissurado pelo universo ufológico, e todos os seus planos e ações, aproveitando-se do poder que a política lhe dá, são em prol de descobertas a nível mundial nessa área, sem se importar com as consequências que isso trará ao seu povo. Ambicioso, Arthur quer mudar o status do país internacionalmente, e para isso não medirá esforços, dinheiro ou possíveis problemas que poderão surgir. Acostumado a ter suas vontades satisfeitas, o governador não consegue ser contrariado. Em seu passado, esconde-se um grande segredo, que o machuca e consome aos poucos, e que ele prefere esquecer.

Outro ponto principal nesse livro é a importância que o autor dá aos personagens secundários. Suzana, melhor amiga de Aurora, é sua confidente de todas as horas. Uma garota espontânea e muito divertida, que fala pelos cotovelos e o que dá na telha. É muito bonito acompanhar a amizade entre ela e Aurora, as duas são como unha e carne, e apoiam uma à outra em qualquer ocasião. Aaron e Sayron são amigos de Lyon, e, assim como ele, tem o mistério como parte de sua personalidade. Aaron é muito ligado às redes sociais e aos computadores, e por isso é o responsável por essa área dentro do grupo dos três pesquisadores. Já Sayron é apaixonado pelos livros, é assim que ele adquire experiências humanas e entende as sensações que se passam dentro de qualquer ser terrestre. Sérgio é filho de Ben, e é completamente apaixonado por Suzana. Mesmo que a garota não se dê conta disso, a admiração que o menino nutre por ela é sincera e pura. Um verdadeiro nerd, Sérgio não tem coragem de se declarar para Suzana, mas a protege e cuida dela como pode. Max, segurança do governador Arthur Ferron, e Amanda, sua amante e secretária do governador, são uma dupla característica. Max é manipulador e ganancioso, e se aproveita dos sentimentos de Amanda por ele para que ela o ajude no que for preciso. No fundo, o que ele mais sonha é vingar-se de Arthur, que ele considera o grande responsável pelas dificuldades que teve em sua vida. Juntos eles formam um conjunto de coadjuvantes que poderia facilmente ser considerado personagem principal. As história de todos eles misturam-se às dos protagonistas, e estes nomes influenciam diretamente em todas as ações de Aurora, Lyon e Arthur dentro do livro.

A linguagem utilizada pelo autor é clara e objetiva, sem muitos rodeios ou descrições demoradamente longas. Eu gostei muito da fluidez que essa característica dá ao livro, particularmente me canso muito fácil com detalhes desnecessários, e estes são praticamente nulos neste livro. Acredito que possamos dividir a trama em duas partes bastante distintas entre si: a primeira, que vai até um pouco mais da metade do livro, é mais calma, e nos apresenta os personagens, suas relações entre si e seus interesses, bem como a relação entre Aurora e Lyon, desde o início; a segunda parte, ágil e surpreendente, foi a que mais me agradou, as cenas são rápidas, os episódios são imprevisíveis e as consequências deles inimagináveis. Gostei de como o autor organizou o livro, essa gradação contribui muito para o crescimento da leitura conforme as páginas passam. Além disso, a narração em terceira pessoa, com alguns capítulos intercalados entre Aurora e Arthur, nos dá a possibilidade de nos aproximar e conhecer os personagens mais a fundo, visto que o narrador os entender desde os primórdios de seu caráter. Acredito que esse detalhe deixe o leitor mais envolvido com a história, dando um maior entendimento sobre as atitudes e juízos feitos pelos próprios personagens.

Como li o livro em e-book, não sei ainda o que a editora decidirá sobre sua diagramação. A capa ali em cima não é oficial, mas eu acho ela bastante interessante, acredito que encaixa-se na história, possui vários elementos importantes para o livro. Quanto às páginas, eu realmente achei os detalhes que acompanham cada início de capítulo, reproduzindo constelações de estrelas, muito bem feitos e articulados com o enredo, espero que a editora mantenha essa diagramação e fonte.

O que posso dizer ao fim da leitura é o que eu já imaginava desde antes de conhecer a história completa: a trama criada pelo José me surpreendeu e cativou! Eu fiquei encantada com o universo criado pelo autor, e torci do início ao fim por alguns personagens, assim como odiei outros até o último capítulo. Penso que esse seja o indício de uma boa história: o quanto os personagens e o próprio enredo são capazes de mexer com o leitor. E isso eu posso garantir: Nebulosa vai te fazer repensar seus conceitos! Obrigada ao José pela oportunidade de conhecer um pedacinho de seu sonho, e de poder entrar nesse mundo. Estou muito ansiosa pelas próximas reviravoltas da trilogia! Até a próxima postagem!

Beijos!

[POST ESPECIAL] Feliz Aniversário, Mestre!

Hey, pessoas!

O post de hoje é um pouquinho diferente de todos os outros que temos no blog, porque o dia de hoje é muito especial. Vocês podem até não saber, mas eu, como fã assumida e surtada, lembrei disso hoje, logo ao acordar: 21 de setembro é aniversário do mestre, do nosso Stephen King, o rei do terror!

Acredito que esse nome dispensa maiores explicações, mas mesmo assim resolvi trazer um pouquinho do universo do escritor aqui pro blog, porque essa data não poderia passar em branco. Então, vamos conhecer um pouquinho mais do mestre?

Stephen Edwin King nasceu no ano de 1947, em Portland, no Maine, filho de Donald e Nellie Ruth Pillsbury King. Criado somente pela mãe, após a separação de seus pais, juntamente com seu irmão David, passou a infância em Fort Wayne, Indiana, e em Stratford, Connecticut. Aos onze anos, voltou com sua mãe e irmão para Dunham, no Maine, por conta de seus avós, que lá moravam.


King graduou-se na Universidade do Maine (1970), onde possuía uma coluna semanal fixa no jornal escolar, chamado de The Maine Campus. Aluno ativo na universidade, participou de ações políticas e sociais. No ano de 1971, o escritor casou-se com Tabitha Spruce. Os dois conheceram-se na biblioteca da universidade, quando ainda eram estudantes. Nesse período, enquanto vendia histórias curtas para revistas, King escreveu seu primeiro conto profissional, intitulado The Glass Floor, que mais tarde, assim como outros contos do autor, foram compilados em antologias publicadas. 


No ano de 1973, a editora Doubleday & Co. aceitou a novela Carrie. A partir de então, King passou a dedicar-se à escrita em tempo integral, deixando de lecionar. Neste mesmo ano, o autor alcança sua aceitação no mundo literário com o livro Salem's Lot (traduzido no Brasil como A Hora do Vampiro). Carrie é publicado um ano após sua aceitação pela editora, no mesmo momento em que King muda-se para o Colorado com a família. Nesse tempo de aproximadamente um ano em que viveram ali, King escreveu The Shining (O Iluminado), adaptado ao cinema mais tarde, pelo diretor Stanley Kubrick. 


Em 1975, a família retorna para o Maine, onde o autor termina seu livro The Stand (A Dança da Morte, no Brasil). No ano de 2003, King recebeu um prêmio por sua contribuição com a literatura americana da The National Book Foundation. Considerado o mestre do terror, desde pequeno era um leitor ávido de quadrinhos do gênero, o que influenciou sua escolha literária. Com vários livros publicados e traduzidos em vários países do mundo e muitos filmes baseados em seus títulos, King tem três filhos, Naomi Rachel, Joe Hill e Owen Phillip, e uma cadela adotada da raça Cogi que o escritor, carinhosamente, apelidou de "Coisa do Mal".

ct4

Abaixo vocês encontram o link para as principais obras do mestre, mas se quiserem conhecer todos os títulos (e viciarem-se assim como eu!), é só clicar aqui, e vocês serão redirecionados ao Skoob do autor.

Carrie, a Estranha It: A Coisa À Espera de um Milagre O Iluminado Salem Revival A Dança da Morte Novembro de 63

Para você, que ainda não conhece nenhuma obra do autor, precisamos mudar essa história! Stephen King escreve como um verdadeiro mestre, e seus personagens são tão marcantes que fica difícil tirá-los da cabeça depois da leitura! Parabéns, mestre, e que suas palavras continuem transformando gerações! Até a próxima postagem!

Beijos!

[RESENHA] O Colecionador de Borboletas - Cecília Mouta

Hey, pessoas!

A resenha de hoje é sobre O Colecionador de Borboletas, um livro nacional da autoria de Cecília Mouta que me surpreendeu e encantou!

O Colecionador de Borboletas

TÍTULO: O Colecionador de Borboletas
AUTOR: Cecília Mouta
EDITORA: Novo Século
NÚMERO DE PÁGINAS: 256 páginas
SINOPSE: Você sabe qual a verdade sobre o efeito borboleta? Nicola é um pesquisador e colecionador de borboletas que perdeu a memória. Durante sua recuperação, com a ajuda de uma psiquiatra, descobre que possui o poder de voltar ao passado e modificá-lo, e também que era apaixonado por uma garota chamada Joana, que aparece repetidas vezes em meio à suas confusas visões. Pior que uma lembrança morta, é uma lembrança que insiste em ressurgir. E Nicola terá que seguir o fio de suas vagas recordações para desvendar até que ponto alterou seu passado. Porém, este colecionador ainda não tem consciência do quanto o efeito borboleta pode ter afetado seu próprio destino.

    

Conheci esse livro por acaso, numa dessas minhas andanças pela blogosfera. Quando fui procurar maiores informações, descobri que a autora estava com uma promoção incrível para a compra dos exemplares, e claro que, como fiquei curiosa, dei logo um jeito de adquirir o meu. E não me arrependo!

Neste livro conhecemos Nicola, um pesquisador apaixonado por borboletas. Sua coleção dos animais é considerada uma das mais completas do país, e ele se orgulha muito disso. Toda a trama começa com um fatídico acidente, que leva Nicola a perder completamente sua memória, indo parar numa clínica de recuperação. É lá que, aos poucos, ele vai relembrando de todos os momentos importantes de sua vida, todos eles envolvendo Joana, seu amor de infância. A grande questão é que ele não lembra-se o que aconteceu com Joana, e tudo fica ainda mais estranho quando ele passa a enxergá-la em todos os lugares, e descobre que possui um dom capaz de mudar o passado. Nicola está perdido, confuso e amedrontado, e precisa reunir todas as suas forças se quiser desvendar o mistério que cerca sua própria vida. Você acredita em efeito borboleta?

Muito pouca gente sabe sobre isso, mas eu tenho uma fascinação anormal pela borboletas. Elas sempre me encantaram, e eu busco informações sobre esses bichinhos sempre que possível. É claro que quando eu li a sinopse de O Colecionador de Borboletas, e fiquei sabendo de toda a sua trama envolvendo os insetos, não pude deixar de conferir a história. E posso dizer que a autora conseguiu me surpreender em todos os sentidos!

A maior parte do livro é narrado dentro da clínica de recuperação, onde Nicola se encontra desde o início da nossa história. Isso mesmo: nós não temos uma história desde o começo, ao contrário: nossa narrativa inicia aproximadamente no meio da vida de Nicola, e aos poucos vamos acompanhando o que aconteceu com ele antes do acidente, e a qual desfecho isso nos levará. Eu achei que essa foi uma sacada genial da autora, esse fator dá um ar de mistério e suspense ao livro, que prende ainda mais o leitor à narração. É impossível largar o livro antes de saber seu final. A cada página que lemos nos envolvemos mais e mais com o enredo, e quando nos damos conta já fomos completamente sugados pelos segredos de Nicola e por todas as surpresas que a vida reserva ao nosso protagonista.

Nicola é um protagonista, no mínimo, curioso. Ele seria um cara normal, não fosse sua paixão desmedida pelas borboletas, o que o levou a transformar-se num pesquisador, dedicado totalmente a esse universo, além de um colecionador fanático. Quando os assuntos são esses insetos, não existe meio termo para Nicola: ele é completamente intenso em sua fascinação. O protagonista que conhecemos logo no início do livro é um homem distante, confuso e perdido, que aos poucos vai reencontrando seu próprio passado, o que só colabora para aumentar a confusão dentro de sua mente. Nicola não lembra-se de nada que aconteceu em sua vida, e todas as descobertas que faz o deixam chocado, e até um pouco obsessivo. Apesar disso, consegui entender toda essa angústia por trás dos gestos e atitudes tomadas pelo protagonista: ele é um estranho para si mesmo, e isso é completamente desnorteador. É por conta desse sentimento de estranheza que Nicola mergulha cada vez mais em sua própria mente, para tentar entender quais foram os fatos que o trouxeram até ali, naquele lugar, e que agora o assombravam. Independentemente de sua perturbação, compreensível, Nicola é um personagem que nos comove e emociona, fazendo-nos conectar a ele e torcer para que seu sofrimento dê resultados no fim de tudo.

Joana é uma incógnita a maior parte da narrativa. Conhecemos a garota apenas através das lembranças de Nicola, e nestas, a personagem se mostra doce, meiga, apaixonada por Nicola e pela vida, e completamente fascinada pelas borboletas. O oposto do que é aquela criatura assustadora, cheia de mágoa e desejo de vingança que atormenta o dia-a-dia e os sonhos do nosso protagonista. Joana faz parte da história de Nicola desde a infância, e ela é uma peça fundamental nesse quebra-cabeça. Liz é a psicóloga que acompanha o caso de Nicola na clínica, e no decorrer da narração também acaba tornando-se um elemento fundamental na trama. À medida que conhece seu paciente, Liz inevitavelmente se envolve amorosamente com ele, e a partir de então começa a se preocupar com seu estado de aparente tensão. É desse modo que ela também mergulha no mundo e nas lembranças de Nicola, através dos episódios sinistros provocados pelos sonhos do homem, além das sessões em que ele se abre para ela. Aos poucos, os dois envolvem-se, e Liz percebe que a felicidade de Nicola está intrinsecamente ligada à sua própria.

A rapidez com que tudo acontece dentro da trama é de tirar o fôlego. Cecília nos brinda com uma história ágil, emocionante e cheia de reviravoltas, que prende a nossa atenção do início ao fim. Os elementos envolvidos no enredo encaixam-se perfeitamente, culminando num final surpreendente e inesperado. A cada revelação, vemos a história ganhar um novo rumo, e a cada novo episódio vemos os mistérios aumentarem. O suspense é envolvente, a escrita é fluida, e em pouco tempo não conseguimos separar realidade e sonho dentro do livro. O mais interessante da história de Cecília, sem dúvida, é isso: apesar de sabermos que tudo aquilo ali descrito é ficcional, somos tentados a acreditar em cada palavra daquelas.

A diagramação do livro é simples, sempre com o elemento borboletas em destaque. As folhas são amareladas, a fonte é mediana e agradável à leitura, e a capa é completamente coerente com o conteúdo que encontramos dentro do livro.

O que eu posso dizer ao fim da resenha é que essa foi uma das leituras mais surpreendentes deste ano, e eu com certeza não esperava ser puxada para dentro da história como fui. Depois do término das páginas, mesmo assim a trama ainda continua dentro da nossa mente, marcada no nosso pensamento, é impossível esquecê-la. Os personagens, os acontecimentos, os elementos ali contidos, nos mostram que a realidade vai muito além daquilo que os nossos olhos conseguem enxergar. Leitura mais do que recomendada! Até a próxima postagem!

Beijos!

[PARCERIA] Blog Livros e Tudo Mais

Hey, pessoas!

Venho hoje apresentar mais uma parceria com um blog lindo, o Livros e Tudo Mais, administrado pela Karolaine! A Karol me procurou, e depois de conhecer o seu cantinho delicado e cheio de charme, não pensei duas vezes antes de topar a parceria! Vamos conhecer um pouquinho mais sobre o blog dessa fofura?


A Karol é uma moça de 18 anos, apaixonada por tudo que eu mais amo: livros, filmes e séries. Ela administra o blog, e coloca um pouquinho de todo o seu mundo lá, o que é diferencial para o sucesso do seu cantinho. Só pra vocês terem um ideia da variedade do conteúdo que a Karol traz para o Livros e Tudo Mais, tem até umas receitas deliciosas por lá (vou tentar todas, Karol rs). Não é muito legal?

E sabe qual a melhor parte? A Karol está procurando resenhistas para a equipe do blog! Então se você curte ler e quer um lugar lindo onde expressar sua opinião sobre essas leituras, preencha o formulário disponível nesse link. No endereço você também encontra todos os requisitos necessários ao resenhista. É uma oportunidade incrível, não é?

Karol, obrigada pela confiança e atenção ao Livros Viajantes. A partir de agora pode contar conosco para o que precisar, sem exceções. Espero que essa parceria se transforme numa linda amizade, e que eu possa auxiliar no crescimento e sucesso cada vez maiores do teu cantinho!

E aí, viajantes, já conhecem o blog da Karol? Não? Então corram lá!

Beijos!

[APRESENTAÇÃO] Book Tour Distopia - Kate Willians

Hey, pessoas!

Hoje recebi um e-mail que me deixou extremamente contente! Vocês já devem ter ouvido falar da mais nova aposta da editora Arwen, o livro Distopia, da autora Kate Willians. Acontece que a autora está organizando o primeiro Book Tour do livro, e como eu queria muito ler, não pensei duas vezes antes de inscrever. E qual não foi minha surpresa ao saber que o Livros Viajantes foi selecionado para fazer parte do Book Tour! Então juntem-se a mim na empolgação, e conheçam um pouco mais sobre Distopia!



DistopiaTítulo: Distopia
Autor: Kate Willians
Editora: Literata (editora Arwen)
Sinopse: Em uma sociedade governada por militantes, com um sistema incorruptível, as crianças são isoladas no regimento militar aos sete anos de idade e treinadas para serem soldados. Lá, eles aprendem da forma mais cruel a atirar e a matar, perdendo muito cedo a sua inocência. Depois da Grande Guerra, o mundo passou a ser dividido entre governantes e governados e cada um tem as suas dores, suas mágoas e limitações. E o que nos resta saber é: de qual lado você está? Porque no final das contas, não estamos vestidos para lutar... Assim como nunca estaremos vestidos para morrer...
Fanpage
- Álbum de Fotos do Evento de Lançamento



*Clique na imagem e seja redirecionado ao link

Sobre a Autora 
Kate Willians é escritora e estudante de letras. Escreveu seu primeiro livro aos 15 anos e o segundo Debaixo das minhas asas, publicou aos 17. Já foi a blogueira responsável pelo Drunk Culture e hoje se dedica apenas a escrita. Tem 20 anos e o seu maior sonho, é encantar as pessoas com suas palavras. A literatura a salvou, e espera um dia conseguir usar a mesma fonte para salvar outras pessoas. É extremamente apaixonada pelo que faz e adora passar o tempo livre com a família e com um pug bagunceiro e totalmente sem noção chamado Bob.


E aí, preparados para uma nova aventura? Eu nasci pronta! Obrigada a Kate pela confiança, prometo corresponder à altura das expectativas que tu tem sobre o blog e sobre o Book Tour, estou ansiosíssima e animada com a oportunidade! E vocês viajantes, aguardem, pois em breve verão resenha desse super lançamento por aqui! Até a próxima postagem!

Beijos!

[RESENHA] La Llorona - Marcela Serrano

Hey, pessoas!

Hoje é dia de resenha, e venho mostrar a vocês as minhas impressões sobre o livro La Llorona, cortesia recebida pelo blog da nossa editora parceira Primavera Editorial.



TÍTULO: La Llorona
AUTOR: Marcela Serrano
EDITORA: Primavera Editorial
NÚMERO DE PÁGINAS: 152 páginas
SINOPSE: O romance La Llorona (A chorona) faz alusão a uma lenda de origem mexicana muito popular em alguns países da América do Sul, sobre uma mulher que constantemente chorava e gritava o nome dos filhos que ela mesma havia assassinado. A autora conta a saga de uma mulher humilde em busca da filha que desaparecera do hospital poucos dias após o nascimento. Unida a mulheres que vivenciam o mesmo drama, a protagonista busca respostas e reformula sua vida de maneira surpreendente. Mesmo sem ter instrução e o apoio do marido, ela inicia uma luta contra o sistema corrupto que envolve os hospitais da região. Com a ajuda de Olívia, uma advogada, ela organiza uma associação de combate a tais crimes e ganha a inimizade de muitas pessoas, que, para enfraquecê-la diante da sociedade, começam a chamá-la de “A Chorona”, associando-a à lenda, como uma acusação velada. Crítica social e solidariedade entre as mulheres estão presentes em trechos emocionantes dessa obra.

     

Quando olhei o catálogo da nossa parceira, Primavera Editorial, eu ainda não sabia o livro que iria solicitar. Foi desse modo que conheci La Llorona, por acaso e sem nenhum tipo de pretensão. Solicitei o título, confesso, por mera curiosidade, mas hoje posso afirmar com certeza que a minha relação com os livros publicados pela Primavera está cada vez melhor: La Llorona me surpreendeu do jeito mais bonito que poderia!

Marcela Serrando nos apresenta aqui a história de uma mulher humilde, cheia de esperança. Ela está grávida, e tudo está preparado para receber o bebê. Quando ela dá entrada no hospital, para que o nascimento finalmente aconteça, alguma coisa dá errado, e ela é informada que seu bebê está morto. Com todo o sofrimento do mundo, a nossa protagonista vê a vida se desenrolar em sua frente: os médicos são frios e não sentem a menor compaixão da mulher; ela é mandada embora como se não fosse digna de nenhuma explicação; e o corpo de seu filho não lhe é entregue. Seu sexto sentido materno sabe que algo está errado, e não consegue esquecer ou superar a perda. É aí que o destino colocar Olívia em sua vida, uma advogada inteligente, perspicaz e disposta a esclarecer a história. Juntas, elas descobrem que muitas outras mulheres, tão ou mais humildes quanto a nossa protagonista, sofrem do mesmo drama. E também entendem que, por trás dessa dor insuportável, existem covardes inescrupulosos e sem coração, e uma rede de tráfico infantil gigante. Reunindo todas as forças que juntas elas possuem, essas mulheres vão à luta pelos seus direitos, e pelos direitos de seus bebês, que elas nem chegaram a conhecer. Nossa protagonista está entre essas mulheres, e tudo que a move é a esperança de, um dia, finalmente, reencontrar seu bebê perdido, e recuperar o tempo em que ficaram separados.

Preciso começar dizendo que este é o meu primeiro contato com a literatura latino-americana. E ele não poderia ter sido melhor. Marcela Serrano escreve de uma maneira completamente incrível, poética e sensível, transportando o leitor para dentro da história, fazendo-o sentir todas as emoções que a trama desperta. Apesar do singelo vocabulário utilizado, o texto cresce bem à frente de nossos olhos, se transformando numa verdadeira obra-prima. A forma como a autora se utilizou de uma lenda muito conhecida em diversos países, e conseguiu transportá-la para sua história, de uma maneira inovadora e totalmente moldada à narrativa que pretendia construir é impressionante, e enriqueceu demais o enredo.

A protagonista é uma mulher impressionantemente forte. Seu caráter simples e decidido é o que se sobressai em sua personalidade. Apesar de sofrida, ela é uma pessoa persistente, que nunca desiste de seus ideais. Seu peito e alma foram marcados profundamente pela perda de seu bebê, e sua vida foi completamente transformada pela certeza cega e inevitável de que a separação não era eterna, como insistiam em lhe afirmar. Sua força, sua coragem, sua determinação, todas essas são características perceptíveis nessa mulher incrível, e são exatamente elas que nos fazem nos conectar tão fortemente com a personagem. Conforme a trama se desenrola, vamos conhecendo cada faceta da protagonista, e assim nos aproximando ainda mais dela. Ao final do livro estamos completa e irreversivelmente envolvidos, e se torna impossível não torcer pelo seu final feliz.

Olívia é o oposto da nossa protagonista. Inteligente, de boa formação educacional e cultural, não se deixa ser enganada facilmente, e está sempre correndo atrás de uma explicação lógica para tudo que a cerca. O que mais impressiona em Olívia é o quanto ela conseguiu se envolver com a história da nossa protagonista, o quanto ela a acolheu e ajudou. Olívia não duvidou em nenhum momento de que existia um grande erro no que havia acontecido com a personagem principal da trama, e foi até o fim para desvendar esse fato. É comovente o quanto elas ligaram-se uma à outra, o quanto se apoiaram e aprenderam mutuamente.

Um fator que eu achei fundamental na construção da história foi a forma como a autora conseguiu deixar a linguagem utilizada no livro totalmente coerente com a protagonista. Temos uma personagem humilde, simples, que não teve grandes oportunidades de formação intelectual na vida. Como nossa história envolve diversos processos burocráticos, como petições, julgamentos e processos, o mais óbvio seria a autora utilizar de todos os termos técnicos correspondentes à esses procedimentos. Mas Marcela fez exatamente o oposto: ela adequou seu vocabulário à bagagem cultural da protagonista, e colocou todos os processos complicados que envolvem o mundo do enredo em uma linguagem de fácil compreensão, o que torna a leitura mais crível e fluido.

Outro elemento positivo que eu encontrei no livro é o tema absolutamente denso que a autora escolheu como foco. Apesar das poucas páginas, é perceptível a pesquisa a que a escritora se propôs antes de começar sua história, e o quanto o enredo evolui no decorrer da narrativa. Os personagens amadurecem, a história ganha corpo e elementos indispensáveis a um bom andamento. Além disso, a importância do assunto é de extrema relevância, inclusive na sociedade atual. O tráfico de menores, independente de ser um tema pesado, é mais do que necessário de ser abordado, principalmente da maneira leve e sensível que Marcela adotou nessa perspectiva. Através da história do título, conhecemos as várias facetas desse submundo, e como podemos combatê-lo com a união e a força que emana de todos nós.

A diagramação é bastante simples, a letra tem uma fonte agradável para leitura, o que contribui no andamento ágil das poucas páginas que compõem o livro. Eu li em duas horas! A capa está delicada e sugestiva, achei-a muito coerente com o enredo que encontramos dentro do livro.

Eu termino essa resenha recomendando a leitura de La Llorona a todos vocês! É impossível não se comover com a luta travada por uma mãe na busca pelo seu bem mais precioso, arrancado dela de forma cruel e bruta. A emoção que a história desperta dentro de nós é quase palpável e não termina depois da última página. A forma como a história entra dentro de nós, nos faz refletir e mudar para melhor e transforma os nossos conceitos é irreversível, as lições de superação e força são para levar para toda a vida! Até a próxima postagem!

Beijos!

[RE-RESENHA] A Escolhida - Amanda Ághata Costa

Hey, pessoas!

No projeto Clube Entre Leituras, tive a oportunidade de reler mais uma vez o livro A Escolhida, da nossa amada autora parceira Amanda Ághata Costa, e agora vocês conferem minhas impressões renovadas sobre essa fantasia incrível! A primeira resenha se encontra neste link, confiram!

A Escolhida

TÍTULO: A Escolhida (Trilogia A Escolhida #1)
AUTOR: Amanda Ághata Costa
EDITORA: Independente
NÚMERO DE PÁGINAS: 360 páginas
SINOPSE: Em uma cidade repleta de pessoas desconhecidas, Ari poderia ser apenas mais uma garota dispersa na multidão, como tantas outras que foram abandonadas pelos pais desde a infância. Devido à sua aparente doçura e beleza, ninguém seria capaz de supor que, além de um anjo, ela também é um demônio com sede de poder. Os espertos deveriam manter-se distantes, mas há olhares que não deixam de admirá-la. Egran não desperdiçaria a chance de apoderar-se de habilidades tão interessantes: ela é a escolha perfeita. Entretanto, nem todos se sentem realizados. O círculo seria um refúgio ideal para os demais feiticeiros, se o próprio líder não os tratasse como marionetes descartáveis. Movidos pelo medo e controlados pelo mestre, os componentes do grupo obedecem, sem pestanejar, às ordens recebidas. Ao se ver arrastada para lá, Ari se encontra diante de situações improváveis, arriscando-se a expor mais do que gostaria. Para ela, sentir é algo que sempre esteve fora de seus limites. Não poderia vivenciar qualquer forma de emoção, esta era a promessa. Até que Luke surge em seu caminho e abala as estruturas congeladas, derretendo-as e modelando novos conceitos. O amor realmente fará brotar a alegria? Ou irá arrastá-la diretamente para a morte? O passado obscuro de Ari será o suficiente para fazê-la estilhaçar de uma vez por todas, não restando oportunidades para uma nova tentativa de se isolar do mundo.


      

Confesso que essa é uma das resenhas mais difíceis que já escrevi, e nessa segunda edição dela não foi diferente. Todos os meus sentimentos mais uma vez se misturaram, e as emoções novamente afloraram por conta da leitura. E eu só tenho uma coisa a dizer: meu amor só aumentou!

Ari é uma jovem diferente de todas as outras: ela possui uma maldição sobre si. Sua sede de sangue e poder é incontrolável, tornando-a uma assassina cruel e invencível. Muitas vidas já foram tiradas por suas mãos, e nada é incapaz de impedi-la de saciar sua vontade. Mas Ari abomina-se por isso. Numa de suas caçadas, uma surpresa a espera: dois desconhecidos, completamente estranhos para a garota, a convocam, sem chances para uma resposta negativa, a comparecer ao Círculo, um território onde vários feiticeiros reunem-se. É lá, no lugar mais improvável, que Ari irá descobrir que seu lado humano ainda existe, e seus sentimentos são capazes de coisas inimagináveis. 


Eu não consigo falar de A Escolhida deixando de lado todo o universo que a Amandinha criou. Já comentei sobre isso na resenha anterior, mas digo e reforço mais uma vez: tudo é incrível dentro do livro! O cenário é descrito em detalhes tão fieis e verídicos que é como se estivéssemos lá, vivendo tudo com os personagens; a sociedade de feiticeiro construída é sólida, com sua própria cultura, hábitos, rituais, conflitos e problemas. É completamente impossível não sentir-se tentado a acreditar realmente naquele enredo, naqueles episódios, naquelas paisagens, naquele mundo como um todo!

Os personagens são um show à parte. Amanda arrasou na construção de todos eles. A Ari é uma protagonista inovadora, diferente de todas aquelas que o leitor possa ter conhecido. Dentro de si ela possui uma luta interminável, que só fica mais forte depois que ela chega ao Círculo: ela não quer ser um monstro. De alguma forma, Ari amadurece, cresce e evolui no decorrer da narrativa, e é assim que conseguimos conhecer diversas facetas de uma mesma protagonista, que se mostra interessante ao extremo e extremamente real. Luke é um típico galã: corajoso, destemido, ligado à família, que segue seus princípios acima de tudo. A fé e a confiança que ele direciona a Ari é incrivelmente comovente, e se tornar praticamente palpável o sentimento que ele nutre por ela. Ele é admirável, carinhoso, lindo e nunca deixa de ser compreensivo e atencioso. É inútil tentar não se apaixonar por ele!


O que mais me admira na construção dos personagens da Amanda é que ela não deu atenção apenas aos protagonistas. Todos os personagens coadjuvantes e secundários são muito bem elaborados, perfeitamente trabalhados, e despertam sensações totalmente intensas no leitor. Lina é a mulher que acolheu Ari desde muito nova, quando ela foi abandonada pelos pais verdadeiros. A compaixão, imenso amor e dedicação que a senhora tem para com nossa protagonista preenche o coração de qualquer um com imensa admiração. Ela está sempre zelando pela garota, protegendo-a e incentivando-a a superar seus medos e dúvidas. Ela não desiste da Ari, e ainda agora, lembrando da doçura que envolve a aura dessa senhora simpática meu peito se aperta de tanto amor. Egran é o líder do Círculo, e é detestável, em todos os sentidos. Não sei como é possível, mas o feiticeiro reúne todas as características mais desprezíveis em um ser humano: ele é injusto, inescrupuloso, cruel, mal-caráter, enganador, e todos os defeitos horrendos que você conseguir encaixar aqui. Egran é um chefe extremamente arrogante, que não mede as consequências de seus atos e é capaz de qualquer coisa para conseguir o que quer. Vincy, Lana, Melany e Tyla são as amigas que Ari nunca teve. Juntas, elas formam um grupo bastante distinto, visto que cada uma tem sua personalidade, mas um aspecto as une firmemente: a lealdade e a amizade. É emocionante ver como elas protegem e apoiam uma a outra, e eu confesso que ainda acredito que elas tenham sido uma das grandes diferenças na vida da protagonista, que a fez despertar para o mundo das emoções. Todos esses personagens tem seu lugar a história, e todos eles influenciam de alguma maneira o desfecho da trama. É claro que o foco recai sobre Ari e Luke, mas nenhum dos outros personagens é deixado de lado, em momento nenhum, e eu achei isso incrível!

Os elementos incluídos pela Amandinha na trama também são um ponto extremamente positivo no livro: os feiticeiros, os demônios, fadas e todas as criaturas mágicas que coexistem ali enriquecem o enredo, tornando-o denso e cheio de reviravoltas. Além disso, as reflexões sobre temas tão indispensáveis a própria vida do leitor, como o amor, a amizade, os medos e receios, estão presentes ao longo de todas as páginas. É impressionante a forma poética com que a autora insere esses pensamentos na trama, fazendo-os parecer tão bem combinados com os elementos ao redor. Essa poesia torna o livro emocionante, é impossível sair dele sem ter completamente mudado algum conceito ou definição essencial nos dias e nas decisões de cada um de nós. Amanda criou muito mais do que uma história: A Escolhida é um manual, contendo lições de vida, de convivência, de amor ao próximo, de lealdade, de superação, e, especialmente, de força e coragem para ir além das suas expectativas sobre si mesmo.


Termino essa resenha emocionada, com o peito completamente aberto a novas aventuras da Ari, e não poderia me despedir de vocês sem deixar claro o quanto eu aprendi com essa leitura: Ari me ensinou a ser forte, em qualquer circunstância; Luke me ensinou a nunca deixar de lado meus princípios, e que a família sempre será nossa bem mais precioso; Vincy me ensinou a não desistir dos meus ideais, indo em busca daquilo em que acredito; Lina me ensinou a compaixão e o amor, dois sentimentos que nos tornam melhores do que jamais pensamos ser; e até Egran conseguiu me ensinar a nunca colocar meus desejos acima daqueles que confiam em mim. Amanda, obrigada por me mudar e me tornar melhor através das suas palavras!


A vocês, viajantes, se ainda não leram A Escolhida só tenho um conselho: leiam, chorem, deixem-se levar pela magia da história, e nunca esqueçam o quanto vocês são fortes! Até a próxima postagem!

Beijos!